Uma História de Talento

Esta história começou para 37 jornalistas no dia 7 de fevereiro de 2011 e não tem previsão de acabar!
Uma "História Viva" que se construiu a cada dia, sempre vai deixar saudade e reuniu num mesmo endereço da rua Pedro Ivo, no centro de Curitiba, o eco de sotaques vindos do interior do Estado, Santa Catarina, São Paulo, Pará, Amapá, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Minas Gerais.
Estes são os Talentos Jornalismo GRPCOM 2011

sábado, 9 de abril de 2011

Perfil de Talento – Murilo Ribas

É com prazer que o blog Jornalistas de Talento recebe um amante das imagens. Murilo Ribas é um dos dois participantes de reportagem cinematográfica em 2011.

Dono de uma personalidade forte e única, esse talento acredita ser diferente do mundo social. Mas assim como a maioria das pessoas, ele tem uma forte paixão. No caso dele, a fotografia é essa paixão. As imagens parecem  ser um grande norte na vida deste jornalista.

“Estou tentando ser mais flexível e não tão intolerante. Estou aprendendo que as pessoas fazem o que querem e acham certo. E é assim que é. Não tenho que ficar me incomodando com isso”. Essa é uma das interessantes confissões, que Murilo apresentou na entrevista por e-mail. 

Conheça mais desse talento, que traz um colorido negro para o mosaico dos Jornalistas de Talento


Seja muito bem-vindo, Ribas!

Porque você escolheu ser jornalista?
Foi um pouco por acaso: queria fazer um curso que fosse legal e que não precisasse trabalhar num escritório. Jornalismo parecia ser assim.
Mas a idéia inicial, que perdura até hoje (quase 9 anos depois de começar a faculdade), é a da oportunidade de presenciar fatos e estar em lugares que as pessoas “normais” não vão ter a oportunidade de estar. Alguém tem que mostrar isso, então que seja eu.
Gosto muito da idéia de registrar a história e fazer parte dela de algum modo.

E porque a opção pela cinematografia?
O vídeo veio sempre como um “projeto paralelo” à fotografia. O legal é que hoje tem essa possibilidade de se tornar o projeto principal. Gosto de poder “brincar” com as duas linguagens. Até porque existem cenas que ficam melhores em movimento.

Comente um pouquinho sobre a importância das imagens, fotografias e vídeos na sua vida.
Imagem é a minha vida, brega falar assim, mas é verdade. Fotografia, principalmente, é uma parte muito grande da minha vida. Vivo para fazer isso. E com o maior prazer.
É uma das coisas que mais diverte e dá realização. É a única coisa na vida, que eu posso dizer que sei fazer. É meu trabalho e meu hobby. São alguns bons anos estudando, praticando e investindo uma boa grana em cursos e equipamentos. É em que me dedico. Vai ficar até chato isso aqui: vou falar de imagem em todas as respostas. Vou tentar me controlar. É algo que não tem mais como separar de mim. Na faculdade eu era relacionado à fotografia: “O Murilo é aquele cara da foto”.
E foi fotografando que tive algumas das experiências mais legais e diferentes da minha vida.  Já fotografei gente pendurada por ganchos (e se divertindo), cirurgia cardíaca, final de campeonato de futebol, invasão de favela, shows de rock, desfile de moda e pude viajar pra cidadezinhas do interior do estado, que nunca tinha ouvido falar.
Que venham mais coisas estranhas,ou não, para registrar.
Murilo no Complexo do Alemão
Qual característica da sua personalidade você mais gosta?
Sou muito tranqüilo. Tenho minhas idéias e ideais bem consolidados. Tenho uma visão de mundo e do quero para a minha vida, um tanto diferente da grande maioria das pessoas... Isso me atrapalha “um pouco”, mas no fundo também gosto disso, faz me sentir bem, e honesto comigo e com o resto do mundo.
Gosto de tentar ser uma boa pessoa: gosto de quem eu sou. 

Um segredo:
Acho que não tenho nada que seja tão segredo. Mas já gastei 300 reais em um “boneco de brinquedo” que não serve para nada, mas é muito legal.

Uma paixão:
Uma só? Fotografar.

Sua música predileta e uns versos que te emocionam:
Não sei se tenho uma música predileta, isso vai de época para época.
Desde que começou o trainee tenho escutado uns mantras que o George Harriosn gravou. Ajuda a dar uma acalmada. Essa semana escutei bastante Matisyahu. Mas não fico sem ouvir “porradaria” que sempre gostei, do metal ao punk nacional dos mais toscos.
Um verso, não que emocione, mas diz um pouco sobre o que acredito, é de uma banda Straight Edge de São Paulo chamada Good Intentions.
"Uma parte de minha vida, dedicação
Para tudo que acredito, convicção."
(Good Intentions

Uma habilidade. Como descobriu ela?
Não tenho muitas habilidades. Já tentei tocar guitarra, mas infelizmente ser um Rock Star não era pra mim. Não tenho muita coordenação motora para esportes, nem para trabalhos manuais. Tenho habilidades inúteis do tipo, poder dormir 10, até 12 horas num dia.


Acho que a única coisa útil em que tenho alguma habilidade é com a câmera na mão mesmo. E só fui descobrir isso, na faculdade, na primeira aula de foto. Sou daqueles que deram sorte em descobrir o seu dom.
Show no 92º
Quais são seus principais gostos?
Ficar quieto no meu canto, só “olhando o movimento”.
Ta aí uma coisa que eu gosto muito. Observar as pessoas, os comportamentos, os lugares, os detalhes das coisas.
Fora isso, adoro Discovery Channel, filmes ruins, meu sofá, dormir, vídeo-games, garotas (Embora não me dê muito bem com elas. E elas comigo).

Conte sobre uma história da sua infância.
Quando era criança (com uns 7 anos mais ou menos), adorava caçar e capturar bichos. Colocava os bichos em potes de maionese para poder ficar olhando de perto e em segurança. De formigas, abelhas, besouros, aranhas até peixinhos, que tinham num riacho/esgoto, que passava atrás do condomínio. Era a maior aventura isso de ir “catar peixinhos”, como dizíamos. Teve até uma vez que na idéia de atrair abelhas, colocamos (eu e a molecada) mel em um pote. Acabou virando um enxame que ninguém conseguiu chegar perto.  

Como você espera o futuro?
Se o Apocalipse Zumbi em 2012 não vier, vou ter que mudar de planos... Estejam preparados!
Falando sério, de mim, espero estar fazendo o que eu gosto, cobrindo algum conflito ao redor do mundo. Infelizmente isso nunca vai acabar. Então, “bora trabalhar”!

Meu sonho profissional é cobrir guerras e catástrofes, como o tsunami.
James Nachtwey, um dos maiores fotógrafos de guerra da atualidade, diz que é onde o jornalismo e a fotografia se fazem mais necessários. Eu concordo!

E espero ter um filho e poder dar uma educação legal para ele.

Do mundo, não espero nada. Venha o que vier.

Uma mensagem para deixar para a posteriodade e a prosperidade:
Quero muito - mesmo - que todo mundo seja feliz. Que as pessoas vivam mais, interpretem menos e saibam aproveitar a graça dos detalhes.

Divirtam-se, amiguinhos!

E vejam as minhas fotos:  http://www.flickr.com/photos/muriloribas/


Um comentário:

  1. Hey Murilo! Congratulations!!!
    Legal voce ter sido nosso 'especialista' em guerras e conflitos, mas sempre na paz.
    Abs
    Joseane Daher
    http://www.posup.com.br/conteudo/2913/fotografia-e-imagem-em-movimento.aspx

    ResponderExcluir