Uma História de Talento

Esta história começou para 37 jornalistas no dia 7 de fevereiro de 2011 e não tem previsão de acabar!
Uma "História Viva" que se construiu a cada dia, sempre vai deixar saudade e reuniu num mesmo endereço da rua Pedro Ivo, no centro de Curitiba, o eco de sotaques vindos do interior do Estado, Santa Catarina, São Paulo, Pará, Amapá, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Minas Gerais.
Estes são os Talentos Jornalismo GRPCOM 2011

terça-feira, 19 de julho de 2011

Perfil de Talento – Vitor Geron

Talentos a deixar uma consideração a mais e arrasou: “É muito mais fácil entrevistar do que ser entrevistado”.

E  Vitor saiu super bem como entrevistado: demonstrou muito humor e revelou pontos interessantes da sua interessante vida. Agora pra frente, muitos talentos vão querer ver Vitor cantar e encantar.

É com muito prazer que o blog Jornalistas de Talento, apresenta Vitor curitibano-paulista. 

Porque você escolheu ser jornalista?
Foram diversos fatores que contribuíram para a escolha. Ainda na escola, no tempo em que matemática era fácil, eu falava em Engenharia Civil. Logo desisti. Ao mesmo tempo, eu tinha aquele sonho de quase todo brasileiro de ser jogador de futebol e sempre acompanhei noticiários esportivos muito de perto, seja no jornal, TV ou rádio. Como não virei jogador (nem tenista) e sempre gostei muito de escrever, veio a ideia de fazer jornalismo para ter a chance de trabalhar com algo que eu realmente gostava. Mas nunca tive a certeza que o gosto que tinha por esportes, escrita e também pela música poderiam ser suficientes para ser jornalista. Principalmente porque, como a grande maioria, eu nunca achei que escrevia bem para isso. Depois das dúvidas, hoje não me imagino fazendo outra coisa.
“Apesar da cara enganar, sempre fui tímido”

Qual é a importância da Gazeta do Povo na sua vida? E a importância do trainee nesta relação com a Gazeta?
Eu sempre digo que o meu último dia de aula na faculdade foi o meu primeiro dia na Gazeta. Eu devo isso ao Zeca que foi meu professor na PUC e me indicou para a vaga, em dezembro de 2009. Entrei para cobrir férias no Online, fiquei quase três meses, depois fui para a editoria de Projetos Especiais, onde fiquei mais alguns meses, até voltar para o Online.
Fui contratado em fevereiro de 2011 e estou lá até hoje. A importância da Gazeta é grande, principalmente porque tive a oportunidade de sair da faculdade direto pra redação da Gazeta. Então a minha curta vida de jornalista está totalmente ligada com a Gazeta do Povo.
Como cobertura eu destaco o velório da Zilda Arns. Eu tinha um mês de formado e fui escalado pra cobrir o velório e passar as informações para a equipe da redação durante o dia (e noite) todo. Com poucas semanas de Gazeta eu estava participando de entrevistas com toda a mídia local e internacional de um acontecimento que contou com a presença de Lula, Requião, Richa, Serra, Dilma, enfim, autoridades de todo o país. Foi um choque e ao mesmo tempo um grande aprendizado. 
Já o trainee foi uma experiência muito legal para aprofundar alguns temas e também conhecer mais da própria empresa. Acho que complementou o aprendizado da faculdade em muitos pontos, além de ter sido muito importante para entender melhor a estrutura, forma de organização e valores da empresa e de alguns dos profissionais.

Conte sobre uma história da sua infância.
Eu não lembro quantos anos tinha, na verdade eu não lembro dessa história. Mas meu pai me contou, então eu acredito. Quando eu era uma criança que nem sabia falar direito, eu pedi pro meu pai uma música "papai, Pechans". Ele sempre teve muitos cds e disse que tentou várias e várias bandas e músicas com o nome parecido com "Pechans". Depois de tanto tentar ele desistiu. Algum tempo mais tarde, em um dia qualquer, ele colocou um cd do Guns N' Roses. Logo que começaram os assobios de Patience eu corri para o aparelho de som feliz dizendo: Papai, Pechans! Acho que nem preciso dizer o quanto gosto dessa música. Mas, na época, acho que pedi por causa do assobio. Devo ter ficado admirado com aquele som que, até hoje, não sei fazer direito.
“Eu disse que canto pagode no videokê e mando uma foto cantando. Mas canto bem mal, só pra constar”

Um sonho
São tantos que é difícil falar um só. Profissionalmente sempre quis cobrir uma Copa do Mundo ou Olimpíada in loco. Pessoalmente eu ia dizer que é viajar o mundo sem data pra voltar, mas pra ser um pouco menos clichê vou dizer que é ter um filho.

Um segredo
Eu gosto muito de rock, mas sei a letra da maioria daqueles pagodes e músicas de duplas sertanejas dos anos 90. Sempre apelo para essas músicas no videokê.

Uma paixão
Pode falar pai, mãe, irmão e namorada? Tá, pra ser menos óbvio vou escolher um prato de comida que é o camarão com molho de catupiry que minha mãe faz. É uma receita própria e garanto que não há nada parecido na culinária mundial.

Sua música predileta e uns versos que te emocionam.
Difícil escolher uma música só, mas vou de Otherside do Red Hot Chili Peppers que foi a música que me fez gostar da banda, hoje minha preferida. E vou escolher alguns versos de Time do Pink Floyd, mas poderia ser a música toda:
"You are young and life is long and there is time to kill today
And then one day you find ten years have got behind you
No one told you when to run, you missed the starting gun"
“Em 2009: A viagem inesquecível”
Qual característica da sua personalidade você mais gosta.
Eu me considero uma pessoa bem tranquila. Acho que isso me ajuda a ter paciência em alguns
casos e cabeça no lugar pra agir.

Uma habilidade. Como descobriu ela?
Essa é difícil. Talvez eu não tenha muitas...
Eu sempre tive facilidade para falar em público. Descobri isso quando na escola e faculdade a maioria dos meus colegas odiava apresentar trabalho e eu sempre fiz isso com naturalidade e até gostava.

Quais são seus principais gostos?
Gosto muito de música e de ir a shows, principalmente, de rock. Gosto de quase todo o tipo de esporte. Viajar, passar horas com as pessoas que gosto, escrever, dormir, tudo isso pode entrar na lista.

Como você espera o futuro?
Eu só espero ter condições de fazer meu trabalho e ter as pessoas que são importantes pra mim sempre do meu lado. Com isso, fica bem mais fácil para alcançar meus objetivos e levar minha vida.

Uma mensagem para deixar para a posteridade e a prosperidade
Com respeito e esforço você consegue o que quiser, basta ter vontade de aprender. Há muita coisa e muita gente que vale a pena nessa vida, não deixe as que não valem atrapalhar.


Um comentário: